O propósito de Deus é que como novos crentes, nos tornamos pessoas diferentes. Nós estamos “em construção” Estamos sendo transformados de dentro para fora. O principal arquiteto destas transformações é o próprio Deus. Como um pai amoroso, Ele esta ao nosso lado para dirigir pessoalmente nosso crescimento.
~John Beckett

Uma jornada longa na vida

Uma vez que um alicerce espiritual é construído, nós podemos crescer na nova vida que Deus nos prometeu. A Bíblia chama isto de “maturidade cristã”  Como estou disposto atestar, este é um processo longo na vida.

O propósito de Deus é que como novos crentes, nos tornamos pessoas diferentes. Nós estamos “em construção”  Estamos sendo transformados de dentro para fora. O principal arquiteto destas transformações é o próprio Deus. Como um pai amoroso, Ele esta ao nosso lado para dirigir pessoalmente nosso crescimento.

Por tudo que tenho experimentado, e que tenho observado em outros, surgem alguns padrões de conduta dramaticamente novos. Atitudes, pensamento e linguagem movem para um novo nível. As motivações são submetidas à avaliação. Nos perguntamos: Por que eu fiz isto? Deus nos mostra como comportarmos diferentes, e seguimos em frente.

O processo continua. O egoísmo cede lugar ao serviço. As relações com os demais são restauradas. Diminui a amargura, a inveja, ciúmes e o ódio à medida que aumento o amor. Experimentamos uma nova dimensão da alegria. Não de um dia para outro, mas sim de maneira constante e progressiva. Ajustes profundos acontecem. Então percebemos a verdade  - somos realmente novas criaturas, porque Cristo esta vivendo em nós.

Estas mudanças internas logo tornam se visíveis. O novo crente quer reunir-se com outros que também colocaram sua fé em Cristo. Não estamos sós. Assim iniciam novos laços de confiança, amor e respeito mutuo.

A Bíblia, a Palavra inspirada do próprio Deus para nós, converte-se em uma amiga recém conhecida, mas relevante e compreensível agora. Nos encontramos com o Espírito Santo, a presença do próprio Jesus que agora habita em nós. Descobrimos que Ele é um guia incrível, se damos o acesso necessário a Ele.

Mas nosso novo relacionamento traz consigo limitações necessárias. Não se trata de que “tudo seja permitido”, porque vemos que nosso Deus é um Deus santo. Devemos honrá-lo, reverencia-lo e obedece-lo. Quando aceitamos as elevadas normas que Ele estabeleceu para nós, compreendemos que são para nosso próprio beneficio. Na verdade, tudo quanto Ele nos proporciona e faz para nós, é para nosso próprio bem.

Nossa nova vida em Cristo não é uma vida de êxitos contínuos. Existem novos desafios. Os velhos hábitos e as velhas relações não mudam facilmente. Surgem os conflitos. Existem ainda as forças espirituais que se opõem a nós. Duvidamos. Ficamos desencorajados.

Apesar de tudo, as coisas são distintas. Não estamos sós. Entramos em uma aliança nova e viva com Jesus Cristo. Ele nos guia. Nós o seguimos. Nossa fé esta firmada em um novo fundamento, este fundamento é Cristo. As palavras que Ele nos dirige são maravilhosas e tranqüilizadoras:  “Nunca te deixarei, jamais te abandonarei” (Hebreus 13:5).

Com o tempo, esta vida transformada causa um impacto em tudo que somos e fazemos. Lembre-se da relação que Adão tinha com Deus antes da queda. Acaso o Senhor não queria ver restaurado  este tipo de relação, até mesmo em nosso trabalho? O dono de um negócio comentava em uma entrevista com a publicação Havard Business Review: “Eu gostaria de ter o lugar de trabalho mais próximo do Jardim quanto possível, sabemos que não posso. Mas eu não devo parar de tentar” (HBR , Janeiro de 1999).

A história de Alan»